Como engajar os alunos nas aulas online do Ensino Superior?

19 de agosto de 2020

Desafios existem, mas podem ser superados com estratégias, técnicas e práticas pensadas especialmente para as aulas virtuais.

Como engajar os alunos nas aulas online? Se o Google conseguisse acessar os pensamentos dos professores que estão ministrando suas aulas pela internet, certamente este seria um dos resultados mais buscados dos últimos meses.

Um bom processo de ensino-aprendizagem, como o próprio nome diz, não consiste apenas naquilo que é ensinado, mas também no que os alunos conseguem assimilar disso, e o engajamento com as aulas é fundamental para melhorar essa relação.

Porém, se este já é um desafio nas aulas presenciais, aulas síncronas em que todos dividem não apenas o mesmo horário como também o mesmo espaço físico, quanto mais quando falamos sobre as aulas online, em que as distrações podem facilmente tirar a atenção dos alunos.

Felizmente, há meios para incitar este engajamento, os quais, inclusive, começam bem antes do momento em que a aula iniciará, e é fundamental que você, profissional da educação, saiba o que fazer para conseguir extrair o que há de melhor dos alunos neste processo.

Continue conosco para aprender mais sobre um assunto tão importante no contexto em que estamos inseridos atualmente, do “novo normal”, e que certamente continuará a ser fundamental daqui em diante.

Como engajar os alunos nas aulas online? Existe algum segredo?

Não necessariamente um segredo, mas há um conjunto de técnicas e práticas para fazer com que eles participem mais ativamente das aulas.

De acordo com o Brain Balance Achievement Centers, especialistas em desenvolvimento infantil geralmente dizem que o período de tempo que uma criança consegue manter sua atenção focada em determinada tarefa, chamado de attention span, costuma ser de dois a três minutos por cada ano de idade.

Isso significa que crianças com 10 anos seriam capazes de prestar atenção por 20 a 30 minutos em alguma atividade. Se isso se mantivesse para o estágio da adolescência e da fase adulta, alguém com 20 anos teria um attention span de 40 a 60 minutos, alguém de 30 anos teria de 60 a 90 minutos, e por aí vai.

Porém, um dos melhores profissionais para concordar que isso depende muito é o próprio professor, que nota que isso nem sempre se aplica em uma sala de aula presencial.

Ora, se nem nas condições normais isso acontece, é de se esperar que a “janela de atenção” em uma aula online seja ainda menor, o que significa que o engajamento também pode ser seriamente prejudicado.

Uma dica super importante é trabalhar com o design instrucional na instituição de ensino, ou seja, ter um planejamento específico para o desenvolvimento de experiências instrucionais digitais, que otimizem o aprendizado para o ensino online, o que é praticamente indispensável para um EaD de qualidade.

É fato que isso não é uma fórmula mágica, mas há algumas maneiras de aumentar o engajamento dos alunos durante as aulas online, que se dividem entre antes da aula, durante a aula e depois da aula. Veja só:

Antes da aula

  • Compartilhe o objetivo da aula antes dela começar. Envie ou compartilhe a programação da sua aula para os alunos com antecedência, seja no mesmo dia ou até alguns dias antes. Assim, eles saberão o que esperar da aula e poderão se preparar para tal.
  • Sugira materiais de apoio. É de grande valia compartilhar algum material teórico com os alunos antes da aula, de modo que eles possam estudar o assunto antes dele ser explicado. Pode ser o capítulo de um livro, um artigo na internet ou mesmo o vídeo de um canal do YouTube (aproveite a tecnologia!). Assim, o engajamento de alunos tende a ser significativamente maior, já que o tema tratado não será inteiramente desconhecido.
  • Instigue a curiosidade e o interesse dos alunos em participar da aula. É um desafio fazer com que todos os alunos se conectem em uma sessão síncrona, então sempre pense em tópicos que sejam interessantes e instiguem os estudantes a pensar e se questionar sobre o tema. Assim, haverá um desejo em sanar aquela dúvida, e é na aula que farão isso.
  • Prepare um material gráfico para a aula. Você não precisa de habilidades avançadas em design gráfico e diagramação para produzir algum material visual para compartilhar com os alunos. Assim, tanto os que possuem conexões de internet limitadas quanto os que podem presenciar alguma queda na conexão podem continuar acompanhando onde a aula estava.

Durante as aulas

  • Inicie a aula com informalidade. Sabe aqueles momentos de conversa que antecedem as aulas presenciais? Então, eles também podem (e devem) aparecer nas aulas online, o que é ótimo para incentivar o engajamento de alunos e tornar a experiência mais próxima do que acontece nas salas de aula.
  • Peça aos alunos que liguem suas câmeras. Até há como engajar os alunos nas aulas online sem ver seus rostos e permitir que eles vejam o rosto do professor, mas isso é bem mais difícil. Vale a pena pedir para que as câmeras fiquem ligadas, já que isso favorece o contato visual e a interação entre alunos e professores.
  • Solicite respostas em tempo real. O engajamento dos alunos tende a aumentar significativamente quando eles precisam interagir com a aula. O professor pode fazer perguntas a eles por meio do chat da sala, aplicar questionários por meio de ferramentas de votação ou simplesmente solicitar que mandem um joinha se estiverem entendendo (e um joinha para baixo se estiverem com dúvidas). Aumentar as possibilidades de interação é muito valioso.
  • Aproveite bem o tempo disponível e mantenha a aula ativa. É muito melhor resumir um pouco da aula para torná-la mais interativa do que deixá-la longa e até “arrastada”, o que é um convite para diminuir o engajamento de alunos. Use bem o tempo que tiver à disposição e mantenha um ritmo ativo, já que a janela de atenção dos alunos é naturalmente menor em aulas online.

Leia também: Ensino Online x Ensino Remoto: estamos prontos?

Depois da aula

  • Leia as respostas e dê o devido feedback. Sabe as perguntas e interações que estimulamos durante a aula? Pois bem, depois que ela terminar, veja tudo o que os alunos disseram e compartilharam e dê um feedback a eles a respeito dessa interação, com dicas que podem ajudar a sanar dúvidas e palavras de apoio para mantê-los interessados.
  • Compile as interações e pense em como melhorar para a próxima. A maneira como engajar os alunos nas aulas online que funciona hoje pode não funcionar tão bem amanhã. Isso significa que o processo deve consistir em uma melhoria contínua, e para isso é preciso analisar as interações dos estudantes e pensar em algo que possa otimizá-la ainda mais nos próximos encontros síncronos.

Engajamento de alunos: um desafio contínuo no ensino híbrido

Via de regra, o engajamento no Ensino Superior já não é tão intenso como ocorre no Ensino Fundamental e na Educação Infantil, diferença que tende a ficar ainda maior quando as aulas são ministradas em ambientes digitais.

Porém, por outro lado, este é um desafio que não pode deixar de ser encarado. O ensino híbrido é uma realidade que deve ser aplicada já até o final de 2020 e se tornar algo cada vez mais comum a partir de então, o que é praticamente inevitável em um mundo cujo desenvolvimento tecnológico é tão acentuado.

É verdade que este é um cenário novo e desafiador para alunos e professores. Porém, justamente por ser algo novo, todos devem fazer sua parte para que a adaptação ocorra da melhor maneira possível e que as bases para o “novo normal” sejam bem estabelecidas.

Lembra que você não sabia tão bem o que fazer para engajar os alunos em aulas presenciais lá no início, quando começou a lecionar? Pois bem, hoje você pode não saber como engajar os alunos nas aulas online, mas como diz o ditado, a prática traz a perfeição, e a tendência é de que o processo melhore a cada dia.