Como foi a Educação em 2021?

7 de dezembro de 2021
educação em 2021

A educação em 2021 poderia ter sido um déjà vu de 2020: um emaranhado de incertezas. Mas, graças ao esforço de todos os profissionais da educação, ela se transformou em uma ponte para o futuro.  

Começamos o ano com mais perguntas do que respostas: quando a presencialidade estaria de volta? Será que essa volta realmente aconteceria? Como o psicológico e a capacidade de aprendizado dos alunos seriam afetados por um período de incerteza tão longo? 

Aos poucos, as respostas foram surgindo em forma de esperança, lições foram aprendidas e assimiladas. E hoje, nós estamos muito mais preparados para entender e enfrentar os desafios que a educação nos reserva.

O que a educação em 2021 nos mostrou?

Que o futuro terá uma “corrida atrás do prejuízo” 

Ter esperança não quer dizer achar que tudo são flores.

É preciso reconhecer os graves efeitos da pandemia sobre a educação para saber como enfrentá-los. O mais grave deles, provavelmente, foi o aumento da evasão escolar.

Segundo dados do Fundo das Nações Unidas Para a Infância (UNICEF), durante a pandemia, a evasão escolar no Brasil cresceu 5% entre alunos do Ensino Fundamental e 10% entre alunos do Ensino Médio. 

Atualmente, 5 milhões de crianças e jovens em idade escolar abandonaram os estudos no país.

Infelizmente, a evasão não foi o único problema que impediu o aprendizado durante a pandemia: a falta de conectividade para assistir as aulas remotas impossibilitou que cerca de 4 milhões de alunos devidamente matriculados acompanhassem os conteúdos.

Tudo isso se refletiu no ENEM 2021, que apresentou o número mais baixo de inscritos em 16 anos. Além de uma redução de 50% na participação de pretos, pardos e indígenas.

É importante lembrar que esse problema não é uma exclusividade do Brasil. E para passarmos por ele precisaremos nos mirar em soluções modernas e globais, nos inspirar em iniciativas de outros países e contar com a ajuda do poder público.

Que o socioemocional é um importante pilar da educação 

A situação limite da educação em 2021 escancarou uma questão que deveria ser prioridade em todas as situações: a saúde mental e o bem estar dos professores.

Se naturalmente, muitos profissionais já tinham que lidar com questões como baixos salários, carga horária excessiva e problemas dos alunos. 

Somaram-se a isso questões como insegurança profissional, sensação de impotência, medo, falta de autoconfiança, dificuldade em lidar com o luto em ambiente escolar, entre outros problemas que surgiram neste período pandêmico.

Tudo isso serviu para deixar claro algo que já deveria ser óbvio: se o professor não está bem e não encontra condições adequadas para trabalhar, isso prejudica a qualidade das aulas e também pode fragilizar o emocional dos alunos, criando um efeito cascata.

Veja aqui como valorizar a saúde mental e o bem estar dos professores na sua Instituição.

Que a tecnologia avançou para dar conta de todos os processos na educação em 2021

A impossibilidade da presencialidade colocou nas mãos da tecnologia uma difícil missão: permitir que a roda da educação continuasse girando, ainda que manejada à distância.

Além das tradicionais aulas e provas online, diversas universidades investiram em sistemas que permitissem a aplicação de vestibulares de forma 100% remota, garantindo a mesma segurança e confiabilidade da prova.

A novidade agradou tanto que ultrapassou as barreiras da educação: processos seletivos de empresas e até mesmo concursos públicos passaram a ser realizados de forma online.

Essa otimização dos processos foi tão bem aceita que diversas empresas e instituições planejam mantê-la mesmo após o fim da pandemia.

Veja aqui alguns benefícios desta atitude!

Que a pandemia obrigou uma parcela significativa a buscar uma nova formação 

A crise econômica agravada pela pandemia levou pessoas a buscarem novos caminhos em suas vidas profissionais.

Isso, aliado à transformação digital, provocou uma mudança drástica no panorama da educação em 2021: fez com que a procura por uma segunda graduação crescesse de maneira vertiginosa neste período.

Tal crescimento só foi possível graças ao investimento sem precedentes feito por diversas IES na criação e aprimoramento dos seus cursos de Educação à Distância.

A modalidade EAD apenas ganhou força durante a pandemia, mas ela já vinha se mostrando uma forte tendência antes dela: em 2019, pela primeira vez na história, o número de alunos que ingressaram no Ensino Superior através de cursos online superou os do presencial (50,7%).

Veja aqui como o EAD pode ajudar a sua instituição a capturar alunos que buscam uma segunda graduação!

Que existe a necessidade de se abordar novas metodologias

Assim como tudo na vida, a educação também se renova.

Isso não significa abandonar os modelos tradicionais de ensino, mas sim trazer para a discussão novas metodologias que motivem e promovam o engajamento dos alunos.

Muito se fala a respeito das metodologias ativas, que colocam o aluno como responsável pela construção do próprio conhecimento, e os professores passam a atuar como guias.

Existem diversos tipos de metodologias ativas: como a aprendizagem baseada em desafios, a sala de aula invertida, entre outras.

Leia mais sobre a importância da inovação e de novas metodologias no ensino moderno!

Que os afetos são importantes

Sabemos que o afeto é, via de regra, transmitido através do contato físico. E que a escola é, além de um local de aprendizado, um local de afeto.

Devido a rotina corrida dos pais e responsáveis, diversos alunos encontram este afeto na atenção dos professores ou nas brincadeiras com os colegas.

Como resultado da falta dessa dose diária de socialização, uma pesquisa feita pela Sociedade Brasileira de Pediatria revelou que oito em cada dez crianças apresentaram sintomas de tristeza, apatia, irritabilidade e agressividade, durante a pandemia.

Isso só mostra como a Escola precisa valorizar os afetos e ensinar as crianças a trabalhar com as suas emoções, o que vai desde a maneira de tratar com o outro até a capacidade de passar por situações difíceis, como um processo de luto, por exemplo.

educação em 2021

Que na Educação em 2021, a tecnologia veio pra ficar

Sem dúvidas, uma das maiores lições deixadas para a educação em 2021 – e que serve para todas as áreas – é que investir em tecnologia nunca é demais.

Na área da educação, ela já vinha sendo implementada em sala de aula como uma ferramenta complementar de ensino. 

Um passo importante, tendo em vista que, há alguns anos, professores viam os avanços tecnológicos como concorrentes na atenção dos alunos, ao invés de aliados.

O ano de 2021 veio para desmistificar de uma vez essa questão e provar que a tecnologia aplicada na educação veio para ficar. Tanto quando falamos dela como um agente facilitador da educação presencial, quanto como um meio para que a educação a distância continue existindo e crescendo.

Conheça maneiras de aplicar a tecnologia no dia a dia da sua Instituição!

Conte com a Prova Fácil para os próximos desafios!

Nessa missão de usar a tecnologia como ferramenta de construção da educação do futuro, a Prova Fácil quer ser a sua principal aliada!

Nós fornecemos metodologias modernas que otimizam e facilitam os mais diversos processos, para que vocês possam se concentrar mais na criação de um ambiente humano, acolhedor e inclusivo.

Desta forma, nós vamos juntos, ajudar a construir as tendências da educação em 2022, 2023, 2024…

Leve a Prova Fácil para a sua Instituição de Ensino e comece agora essa jornada!