Ensino Superior no Brasil: o que motiva a busca pela especialização?

1 de setembro de 2014
ensino superior especialização prova fácil

Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies), Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), Programa Universidade para Todos (ProUni). Estes são apenas alguns dos programas que facilitam – ou melhor, possibilitam – que os brasileiros deem sequência aos estudos, motivando potenciais alunos a aceitar o desafio de ir às salas de aula em busca da especialização profissional.

Dados de 2013 do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) revelam que o número total de matrículas no ensino superior brasileiro cresceu 81% entre 2003 e 2012. Além disso, o número de instituições de ensino superior cresceu 30% em todo o Brasil, mas, principalmente, na rede pública. Esses números revelam a preocupação dos brasileiros em se especializar e evoluir.

Diante desta necessidade de se preparar melhor para o competitivo mercado de trabalho, a expansão no número de instituições no Brasil, a diversificação de cursos ofertados e as facilidades disponibilizadas por programas governamentais ou privados, alimenta o sonho de brasileiros, aos quatro cantos do país, da busca pelo diploma.

Leia também: Teoria de Resposta ao Item: Do que mesmo estamos falando?

As primeiras instituições de ensino superior do país foram criadas em 1808 e as primeiras universidades são datadas da década de 30. Ao pensar nestas datas de forma isolada, pode parecer que se trata de algo antigo, mas ao analisar seu impacto para um país, enxerga-se as mudanças que proporciona na vida de uma nação e percebe-se o quão novo ainda é. A implantação dessas instituições diz respeito a uma reforma na educação, que visa à especialização profissional dos cidadãos, e é aí que se vê o quanto o Brasil ainda precisa caminhar para evoluir.

Ter uma graduação, se tornar bacharel, licenciado ou técnico em algum curso ainda faz parte do sonho de muitos brasileiros e, para realizá-lo diversos fatores entram em análise, como: situação financeira, gestão do tempo, acúmulo de tarefas, entre outros. Por isso, o ensino superior ainda é visto por muitos jovens como uma meta a ser alcançada, não como simples parte do ciclo da vida.

Sem dúvidas, o cenário vem mudando. Se antes a capacitação profissional era quase que o único motivo para estar dentro dessas instituições, hoje a troca de conhecimentos, a oportunidade de se relacionar com outras pessoas e a possibilidade de se redescobrir também fazem parte desta lista de interesses que encantam os futuros alunos.

O desafio é grande. Os interessados em se especializar e ter o diploma sabem da necessidade dessa formação. Mas, ainda, há muito que se fazer para evoluir a ponto de oferecer as mesmas oportunidades a todos.

Baixe nosso e-book “Como as IES mantêm a qualidade do EAD através de avaliações”