Entenda a relação entre tecnologias educacionais e qualidade de ensino

4 de agosto de 2017
computador e materiais de estudo sobre a mesa

Entenda a relação entre tecnologias educacionais e qualidade de ensino

A proposta deste post é discutir a relação do bom uso da tecnologia na qualidade do ensino. Tecnologias educacionais têm se tornado cada vez mais frequentes e devem ser consideradas como pontes para lidar com mais facilidade com as novas gerações que estão e que têm chegado às instituições educacionais.

O que são tecnologias educacionais

As tecnologias educacionais são todas as ferramentas disponíveis na sociedade que podem ser apropriadas no ensino e aprendizagem.

Livros, quadro negro, vídeo cassete, projetores de vídeo, cinema, música. Tudo isso pode e tem sido apropriado ao longo dos últimas décadas (ou séculos!), de forma crítica, pelos processos pedagógicos. A questão é saber fazer um uso crítico e reflexivo dessas tecnologias.

O grande desafio atual é se apropriar das tecnologias computacionais, como computadores, tablets, aplicativos de celular e websites da melhor forma a dialogar com as novas gerações.

Aumento do estímulo e da curiosidade dos alunos

As atuais e novas gerações de estudantes têm sido socializadas mergulhadas no uso de tecnologias. Muitas vezes, inclusive, eles têm mais propriedade para manejá-las tecnicamente do que seus professores.

Mas isso não deve ser um entrave. Muito pelo contrário, deve servir de estímulo para o engajamento da instituição de ensino com essas novas ferramentas.

Como sabemos, é fundamental que as metodologias da educação dialoguem com as linguagens com as quais os alunos estão habituados para estabelecer interlocuções mais fortes no processo de ensino.

Os alunos esperam ser surpreendidos pela educação. Além do estímulo, as tecnologias educacionais têm elementos que despertam a curiosidade e a vontade de engajamento por parte dos estudantes.

Criação de novas metodologias de aprendizagem

Dessa forma, o uso das tecnologias educacionais se revela no desenvolvimento de novas metodologias de ensino e aprendizagem para e pelos educadores, que podem adaptar uma infinidades de ferramentas disponíveis ao contexto dos seus alunos.

Três exemplos interessantes de tecnologias educacionais que veem sendo utilizados em universidades de vanguarda são o PBL – Projetc Based Learning (Aprendizagem baseada em projetos, em português), o GBL – Game Based Learning (Aprendizagem baseada em jogos) e o aplicativo Prova Fácil.

O Projetc Based Learning

O PBL envolve a resolução de projetos reais, por parte dos alunos, que tenham a ver com as competências, habilidade s e objetivos que eles precisam desenvolver. Na maior parte das vezes, esses projetos tem que beneficiar a sociedade onde vivem.

E para isso, são mobilizados desde simples pesquisas na internet até softwares e ferramentas de gestão de projetos online. O PBL cabe tanto para a educação básica como para cursos superiores e tem aumentado a confiança, afetividade e socialização dos estudantes, bem como a percepção que eles têm da relação entre o que aprendem e a vida cotidiana.

O Game Based Learnig

Já no GBL, que tem sido muito difundido em cursos de graduação e pós-graduação, são feitas atividades práticas simuladas, onde também são desenvolvidas as habilidades esperadas para a formação do aluno.

Os jogos são montados de forma com que as regras possibilitem, com os resultados, a avaliação dessas competências. E muitas vezes estimula-se o trabalho em grupo.

A metodologia tem tido bons resultados em cursos EAD, em ambiente virtual, mas também para cursos presenciais, dados os aspectos lúdicos envolvidos com a ferramenta.

O Prová Fácil

Já o Prova Fácil é uma metodologia de gestão educacional que facilita o desenvolvimento e a gestão de avaliações por parte dos professores e da direção da instituição de ensino.

A partir do download do aplicativo – que funciona tanto em tablets quanto celulares – é possível elaborar provas de múltipla escolha com os seus respectivos gabaritos. Com as provas realizadas pelos alunos, basta escanear os gabaritos dos alunos no celular ou tablet que contém o aplicativo.

O processo é rápido, prático e ainda possibilita o acesso a dados estatísticos que possibilitam o acompanhamento do desenvolvimento de cada turma e aluno. A ferramenta ainda é um caminho para o acesso facilitado das informações para o pais e, ao mesmo tempo, assegura a segurança dos dados da avaliação.

Melhorando a qualidade do ensino nas instituições

Dessa forma, essas e outras tecnologias educacionais possibilitam o incremento da qualidade do ensino das instituições, por meio do maior engajamento dos alunos, dada a conexão entre a linguagem da instituição educacional e a realidade da vida do estudante, e também possibilita a melhorias das formas de gestão escolar.

Como vimos, as tecnologias educacionais tem grande potencial para melhorar a qualidade do ensino na sua instituição, tornando-a mais dinâmica e conectada com um contexto de grande acesso a informação e estímulos que brigam pela atenção do aluno – e porque não, dos professores e gestores.

Agora que você já sabe mais sobre o impacto da tecnologia na qualidade do ensino, confira nosso post com cinco maneiras de implementar novas tecnologias em em sua instituição educacional.

Guia – Como escolher tecnologias para sua Instituição?