Games na escola e o prazer no Aprendizado

4 de novembro de 2014
games na escola

Ir pra escola não precisa – e nem deve – ser um sacrifício. É preciso mudar o olhar que os alunos têm sobre este ambiente.

A aprendizagem adaptativa é o método que mais direciona os esforços para os interesses dos alunos que, de fato, são os mais beneficiados por um ensino de qualidade, voltado para seus interesses, suas habilidades, dificuldades e anseios. Se a aprendizagem adaptativa direciona os esforços dos profissionais para olharem as necessidades dos alunos individualmente, é hora de começar a pensar em alternativas para captar essas informações – e, neste sentindo, os games podem ser fortes aliados quando usados de forma estratégica em sala de aula.

Em momentos de descontração o professor tem maiores condições de perceber o perfil, ou melhor, a personalidade de cada aluno – e, assim, começar a entender os anseios de cada um e, principalmente, o comportamento individual dos alunos quando em grupo.

Os games levados para sala de aula precisam ter toda uma estratégia pedagógica por trás, pois não se trata apenas de um momento de lazer: essa é a hora de avaliar os alunos e ter em mente onde será necessário se concentrar para realmente fazer a atividade valer a pena.

Alguns games que você pode levar para sala de aula:

  • Tríade: o jogo é bem parecido com o RPG, onde os alunos (jogadores) são levados ao período da Revolução Francesa. O jogador precisa tomar decisões que vão influenciar o andamento da História. A estrutura social da França pré-revolucionária, os filósofos iluministas, a Queda da Bastilha entre outros aspectos da época são explorados pelo jogo. Ele é ideal para alunos a partir do 8º ano, e é gratuito.
  • Tira Risco: um jogo criado pelo Serviço Social da Indústria (SESI) do Paraná, onde trabalhadores entram em ambientes de trabalho que estão com equipamentos fora do lugar. É preciso organizá-los antes que os trabalhadores sofram acidentes. Os jogos são gratuitos e, para jogá-los, é preciso se cadastrar no site.
  • Spore (PC): o jogo foi desenvolvido em 2008 e trata-se de um simulador da vida no planeta. O jogador controla o desenvolvimento de uma espécie, desde seus microscópicos primeiros momentos, até tornar-se uma evoluída criatura social. Seu principal objetivo é introduzir aos alunos, de maneira prática, a teoria da evolução.

Estes são alguns dos exemplos mas, sem dúvidas, em uma discussão rápida com os alunos, você pode ficar por dentro de muitas outras tendências. Converse com a turma, proponha que eles tragam suas sugestões, os envolva nesse novo método de dar aula. Com certeza, todos vão se surpreender.

escola do futuro