Inovações em correção de provas no século XXI

31 de agosto de 2015
inovações em correção de provas

Não tem muito tempo e essa cena era comum: o aluno chegava em casa com uma pilha de provas feitas há algumas semanas que tinham sido corrigidas e entregues para o professor. Algumas escolas exigiam que, os testes com notas “insuficientes” fossem assinadas pelos pais e devolvidas à escola para mostram que eles estavam cientes do que estava sendo ensino em sala de aula e, também, do conhecimento absorvido pelo estudante. Tão comum quanto isso era a relação próxima destes pais com os professores, que apontavam as dificuldades ou facilidades de aprendizado dos estudantes.

Com o desenvolvimento das tecnologias essa relação mudou, apesar de não ter deixado de lado a proximidade e o diálogo entre pai e professor. Os softwares passaram a oferecer novas possibilidades, como o gerenciamento e o acompanhamento das notas dos alunos. Dessa forma, os pais podem monitorar tudo o que acontece na escola online, por meio de um computador ou um smartphone, enquanto trabalham, por exemplo.

O método e a rotina do professor também mudaram nesse cenário cheio de novas oportunidades. Antes era comum que o tempo fosse dividido entre dar aulas dentro de uma sala de aula, aplicando e corrigindo provas. Aliás, este último ponto ainda trazia um agravante: a quantidade de tempo gasto com a correção dos testes, o que acabava levando professores a uma situação de desgaste e estresse.  Entenda aqui o porque das avaliações serem o principal alvo de mudanças na educação do século XXI:

O fim da caneta vermelha

Por muito tempo, a correção de provas com caneta vermelha se tornou um estigma para alunos. Abrir, cheio de expectativa, uma prova corrigida e se deparar com uma folha de papel coberta por tinta vermelha não é uma situação das mais agradáveis para os estudantes. E tampouco faz bem ao professor.

Um estudo feito por pesquisadores da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, aponta que o uso de caneta vermelha para corrigir os testes afeta diretamente na relação aluno-professor já que a cor é carregada de uma emoção negativa nesses casos.

Correção em grupo

A internet também traz mais transparência sobre o que ocorre nas escolas e, com ela, há também mais cobrança dos pais sobre a qualidade do ensino em todas as áreas. Nesta relação, os resultados das avaliações são a principal ferramenta dos pais para aferição. Dessa forma, um método que vem sendo utilizado para a correção mais assertiva de provas é o estímulo à correção conjunta dos professores, que permite a definição de critérios únicos para diferentes áreas de ensino dentro da mesma instituição.

Os encontros são online ou pessoalmente e consistem em definir qual o tipo de questão a instituição considera certa, errada ou meio certa; se há contagem de pontos quando há erros de ortografia em provas que não são de português e onde o professor deve escrever suas observações de correção, a fim de que o aluno perceba onde foi seu erro e possa corrigi-lo.

As correções em grupo são esporádicas mas essenciais para as instituições que buscam critérios bem definidos para suas avaliações. Neles, por exemplo, os professores são incentivados a trocarem suas provas corrigidas com as dos colegas para que analisem se há equilíbrio nas correções.

Da caneta ao ERP

A evolução do método de ensino conhecido por nossos pais ou avós até o modelo que se tem hoje nas escolas mais modernas do país passa pelo ERP – sigla em inglês para Sistema de Gestão Empresarial -, que nada mais é que um método de gestão aplicado a instituições de educação. Com ele é possível, por exemplo, que os pais de alunos acompanhem em tempo real e em qualquer lugar o desempenho de seus filhos.

Um dos sistemas de ERP aplicados à educação mais conhecidos é o Smart, desenvolvido pela Starline, uma empresa brasileira de tecnologia em educação. O software possibilita uma organização em especial para as áreas administrativas das escolas, como para operacionalizar o sistema ou otimizar as vagas por turma. A ideia é que, com ele, cada ação dos pais e alunos na escola sejam registrados, desde a primeira ligação para receber informações sobre a escola até a graduação do estudante – o que inclui também a percepção se em algum período o aluno apresenta queda de desempenho por razões externas às escolas ou as taxas de evasão em determinados períodos.

Além disso, o sistema também facilita e aproxima a relação entre alunos e professores, da seguinte forma:

  • Possibilidade de passar conteúdo para os alunos via internet
  • Controle dos certificados dos alunos
  • Controle de notas atrasadas
  • Acompanhamento online dos pais acerca do desempenho dos filhos

Corrigindo provas de um jeito diferente

inovações em correção de provas

Uma das tendências da escola do século XXI é o uso de uma ferramenta que acaba com aquele velho método de corrigir provas e entregá-las aos alunos corrigidas. É mais do que comum ver relatos de professores que gastam muito tempo para corrigir pilhas e mais pilhas de provas de seus alunos, levam trabalho para casa e, para piorar, ainda enfrentam problemas de saúde decorrentes de todo esse ambiente marcado por estresse, desgaste, tensão e ansiedade.

A mudança na correção de provas passa por aplicativos que “mapeiam” a prova do aluno e, em segundos, identificam as opções marcadas por ele. Uma economia de tempo. O Prova Fácil é uma dessas novas ferramentas. Com ela os professores podem criar e gerenciar provas de múltipla escolha a partir de seus smartphones. O aplicativo utiliza a câmera do aparelho para “escanear” a página de respostas dos alunos, conferindo automaticamente seu índice de acerto e a nota que lhe cabe. Veja aqui como o sistema funciona.

O que ocorre na prática é que, assim que o último aluno entregar o teste feito,  o professor pode gerar um relatório sobre o desempenho da turma e saber quais foram as questões com maior e menor índice de acertos. Outras vantagens do uso da tecnologia são:

  • Acompanhar a evolução dos estudantes
  • Gerenciar um banco de questões para provas futuras e simulados
  • Diagramar as próprias provas
  • Otimizar o processo de aprendizagem
  • Economizar tempo com a correção

Dados da Starline, empresa brasileira especializada em tecnologia da educação mostram que mais de mil escolas brasileiras já adotam a correção automática de provas.

Elaborando provas diferentes

Uma nova tendência que também muda a forma de corrigir provas surge a partir de um novo olhar sobre as avaliações: ao contrário do que era feito antigamente, as avaliações não são mais vistas como uma forma de classificar a turma, mas sim de orientar a aprendizagem, em um modelo que foca na singularidade dos processos de cada aluno. Dessa forma, variam as modalidades de avaliação, intercalando provas, trabalhos e redações de forma a avaliar o desempenho do aluno individual e coletivamente. Com este pensamento, a ideia é que o professor liste o conteúdo das provas, informe aos alunos e não os modifique sem necessidade. A prova passa a ter como foco, então, o aprendizado do estudante e, assim, coloca alunos e professores como parceiros nesta jornada e não afastados por instrumentos de avaliação. Algumas dicas para elaborar provas que meçam o aprendizado do aluno são:

  • Saber o nível atual de desempenho do aluno (diagnóstico)
  • Comparar essa informação com aquilo que é necessário ensinar no período educativo (qualificação)
  • Tomar decisões que possibilitem ao aluno alcançar os resultados esperados.

Você conhece algum novo método de avaliação utilizado no século XXI? Não deixe de compartilhar conosco!

inovações em correção de provas