As melhores Tecnologias para o Mercado Educacional

6 de maio de 2015
mercado educacional

Ao longo das últimas décadas as evoluções tecnológicas foram (e têm sido) responsáveis por mudanças em diversas áreas do conhecimento. Isso porque, a partir de uma necessidade, alguém descobre ou inventa uma ferramenta que é capaz de economizar – seja tempo ou dinheiro -, o que acaba por revolucionar o modo como as pessoas enxergam e exercem uma determinada atividade. Para ficarmos com um exemplo bastante óbvio: o computador. A máquina (que hoje não imaginamos como era o mundo sem ela) reduziu o tempo para realizar um cálculo ou enviar uma mensagem, por exemplo. A partir disso, milhares de ferramentas puderam ser inventadas, otimizando o tempo de um sem-número de funções e afetando o cotidiano de todas as áreas e profissões que conhecemos. Não é verdade?

Na educação não poderia ser diferente. A evolução tecnológica vem ao longo dos últimos anos encontrando brechas para otimizar o tempo gasto em algumas atividades e melhorar as condições de ensino para os professores e de aprendizado para os alunos.

Algumas instituições de educação ainda relutam em adotar tecnologias com o receio de que elas poderiam descaracterizar o processo de ensino. No entanto, essa situação gera um descompasso: tanto alunos quanto os professores já utilizam, fora de sala de aula, ferramentas tecnológicas que facilitam seu dia a dia. Porquê não, então, aplicar alguns desses métodos dentro das paredes das escolas, faculdades e universidades? A Unesco, órgão da ONU para a educação e cultura, acredita que as Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) podem contribuir no acesso universal à educação, na qualidade do ensino, no desenvolvimento profissional de professores, além de melhorar a gestão nas unidades de educação. Mas não basta apenas abrir as instituições de ensino para as novas tecnologias. Elas devem ter um sentido dentro daquele ambiente que coloque a educação em primeiro lugar.

mercado educacional

Abaixo, algumas das melhores tecnologias que movimentam o mercado de educação e tem uma aplicação direta na melhoria do ensino e do aprendizado e também da qualidade de vida de professores.

Tablets: as telinhas que substituem os computadores

Mais práticos e com preços melhores,  eles têm ganhado espaço nas salas de aula. Fornecidos pelas próprias escolas, governo ou bancados pelos pais de alunos, os tablets são uma tendência no ensino a médio prazo, de acordo com a Unesco. No entanto, as telinhas já tomaram conta em algumas instituições que têm substituído as aulas de informática pelo uso de aplicativos instalados em um tablet. Com isso, diminuem gastos e afinam o ensino com o que o aluno já vê fora da sala de aula. Listamos algumas vantagens dos tablets:

  • Permite o compartilhamento de conteúdos com os alunos, sejam eles textos, planilhas, slides, áudios ou vídeos.
  • Ótimo custo-benefício já que o aparelho pode ser usado em todas as disciplinas
  • Aumento da interatividade e da criatividade dos alunos ao ampliar o leque de possibilidades com a ferramenta
  • Conteúdo multimídia: as fronteiras do ensino são ampliadas com uso de diferentes ferramentas

Livros que extrapolam o (seu) papel

As telas também têm revolucionado o mais elementar dos objetos ligados à educação: o livro. Os tradicionais, nós conhecemos bem, usam das palavras, ilustrações e fotografias para transmitir ensinamento. No entanto, o mercado editorial abriu espaço para livros-multimídia, que além das palavras, ilustrações e fotografias podem adicionar áudios, vídeos, infográficos 3D e outros elementos.

Algumas empresas desenvolveram aplicativos que mudam o formato ao qual nos acostumamos durante anos. Com isso, alguns conteúdos mais complicados de serem assimilados por estudantes ganham elementos que podem facilitar a compreensão.

Diminuindo o esforço com as correções de prova

Às vésperas do Enem, o professor imagina quanto tempo gastou corrigindo questões fechadas de provas, simulados e testes usados para a preparação de seus alunos durante todo o ano. Muito, não? Além de aplicar os exames, dentro da sala de aula, a tarefa para o educador continua e com direito a trabalho extra levado para casa.

Uma alternativa usada em mais de mil escolas brasileiras é o aplicativo Prova Fácil na Web, desenvolvida pela Starline, uma empresa brasileira de tecnologia em educação. O software permite que o professor salve o gabarito oficial e, com a câmera de seu smartphone, escaneie a prova do aluno. A ferramenta compara as marcações do estudante com as respostas certas do professor e dá o veredicto em segundos. Além disso, há outras vantagens:

mercado educacional

Levando o ensinamento mais além

Outra tecnologia que vem sendo (re) descoberta por quem trabalha com educação é o uso dos vídeos. No início do século, alguns programas de televisão como o Telecurso 2000 usavam a TV como ferramenta de espalhar o ensino por meio de histórias, atuações e infográficos exibidos na telinha. Os programas tinha data e hora marcada. Hoje, os vídeos seguem a característica do século XXI, o “on demand”. Ou seja, você pode ver quando e onde quiser, dependendo da sua rotina, seus horários e sua programação.

Grandes universidades como Harvard, Stanford ou Cambridge disponibilizam gratuitamente cursos online dados por seus professores sobre diversos temas. Os MOOCs (sigla para Massive Online Open Courses, ou Cursos Online, Abertos e Massivos) são uma tendência da educação hoje e atingem milhares de pessoas em diversos países. A Coursera e a Veduca são algumas das empresas que reúnem cursos de mais de 100 instituições de ensino em seus sites. Vale a pena conferir.