Sala de aula invertida: como a Tecnologia pode ser uma aliada

5 de dezembro de 2017

Como funciona a Sala Invertida?

Basicamente, os alunos assistem às aulas e absorvem o conteúdo em casa, e o tempo em sala de aula é utilizado para debater e tirar dúvidas, revolucionando as aulas tradicionais que se baseiam em uma transmissão linear de conhecimento, sendo os alunos atores passivos desse processo. Dessa forma, o envolvimento dos estudantes com as matérias aumenta e o tempo e conhecimento do professor são melhores aproveitados.

 

Essa é a proposta da sala de aula invertida: aulas menos expositivas, aumentando a produtividade e a participação, beneficiando tanto os alunos quanto os professores. Aos alunos, as mudanças mais significativa são a autonomia adquirida e a possibilidade de participar mais ativamente das discussões propostas; para os professores, alunos mais comprometidos e uma remodelagem dos métodos tradicionais de ensino.

Quais são os resultados?

Manter-se atualizado e buscar maneiras de inovar em sala de aula são fatores essenciais para o professor dos dias de hoje. Existem várias opções para tornar as aulas mais dinâmicas e produtivas, e a sala de aula invertida definitivamente é uma dessas opções.

Andrea Ramal, diretora do GEN Educação, destaca a eficiência das mudanças. “A leitura antecipada incita o raciocínio prévio e eleva o papel do professor. Esse passa de expositor para tutor, auxiliando e incentivando o aprendizado mais profundo do aluno quando ele traz dúvidas, raciocínios e discussões prévias.”

Ainda sobre a eficiência da metodologia, um estudo realizado por professores de Matemática da Universidade de Harvard indica que alunos inscritos em aulas invertidas obtiveram resultados 49 a 74% melhores do que aqueles que frequentavam aulas tradicionais.

E como começar a usar?

Primeiramente, a mudança deve ser comportamental: alunos e professores devem estar em sintonia e conscientes dos benefícios que a nova dinâmica vai proporcionar, além de perceberem a mudança como necessária. Depois, os professores devem ser capacitados para aplicarem o novo modelo de aula, afinal, toda a dinâmica de ensino será alterada.

 

Aliás, vale ressaltar que as mudanças podem ser estabelecidas gradativamente. Não necessariamente toda a dinâmica precisa ser transformada em um primeiro momento. “A utilização de uma leitura prévia antes da aula e a aplicação de deveres de casa já são exemplos de uma sala de aula invertida”, explica Andrea.

 

Esses são bons exemplos para testar se a metodologia vai funcionar e se os alunos vão, de fato, se adaptar — o que é bem provável de acontecer, já que eles são familiarizados com tecnologias e experiências digitais.

 

Nesse sentido, o Prova Fácil é um grande aliado dos educadores. Nele, depois de criar turmas e cadastrar seus alunos, o professor pode, dentre outras funcionalidades, elaborar provas e atividades online, que podem ser realizadas à distância e discutidas presencialmente, no momento em sala de aula.

 

O compartilhamento de conteúdo via internet poupa o tempo que o aluno gastaria copiando a matéria, por exemplo. Esse tempo pode ser redirecionado para a revisão do conteúdo, para tirar dúvidas ou para exercícios complementares, o que otimiza a experiência de ensino e aprendizagem.

 

E você, já conhecia a metodologia da sala de aula invertida? Quais outros métodos você usa para inovar em sala de aula? Conta pra gente nos comentários e continue acompanhando nosso conteúdo!