SEGREDOS SOBRE A MATRIZ DE REFERÊNCIA QUE TODO PROFESSOR DEVE CONHECER

21 de agosto de 2014

No início de todo ano letivo cada professor recebe suas respectivas propostas curriculares e diretrizes pedagógicas. A partir daí, já sabem o que devem trabalhar com seus alunos ao longo do semestre ou ano. Esta é uma prática que faz parte da estrutura educacional das instituições. Mas e as Matrizes de Referência, o que são? Como podem impactar o dia-a-dia de alunos e professores?

 

As Matrizes de Referência apresentam o objeto de uma avaliação. No campo da Educação são instrumentos sinalizadores da efetiva aprendizagem, por isso são formadas por um conjunto de descritores que mostram as habilidades que são esperadas dos alunos em diferentes etapas de escolarização.

 

O que todo professor precisa saber, indispensavelmente, é que a Matriz de Referência não pode ser confundida com as propostas curriculares, estratégias de ensino ou diretrizes pedagógicas, pois não englobam todo o currículo escolar. Sendo assim, elas não esgotam o conteúdo a ser trabalhado em sala de aula. Mas eles podem se atentar ao fato de elas servirem como referência para a organização de planos de estudos.

 

“Onde está a Matriz de Referência?”

Ao longo de um ano letivo, os estudantes podem ser submetidos a determinadas avaliações propostas por diversos órgãos, seja para checar o nível de aprendizagem ou mesmo como parte de um processo seletivo pelo qual vão passar – por exemplo, o ENEM. Ter conhecimento de quais provas seus alunos vão realizar ao longo do ano vigente e, consequentemente, analisar as respectivas Matrizes de Referências dessas provas é uma forma de ajudá-los, direcionando seus esforços para passar um conteúdo que vai fazer a diferença na vida estudantil de cada um deles.

 

Entender como se constrói essas Matrizes também é importante. Assim como já foi dito, elas são formadas por um conjunto de temas que representam uma subdivisão de acordo com as competências de área e habilidades. Cada um desses temas é constituído por elementos que descrevem as aptidões que serão avaliadas nos itens (questões); esses elementos são os Descritores. Assim, os itens são elaborados com base nos descritores das Matrizes de Referência, que reúnem o conteúdo a ser avaliado na prova em questão e informam o que se espera do aluno em termos de desempenho escolar.

 

Obviamente, cada educador e professor tem seus métodos de ensino, e isso ele adquire ao longo de suas experiências em sala de aula. No entanto, estar alinhado com os interesses dos alunos faz com que suas aulas sejam mais produtivas e, claro, possibilitem resultados que vão além do “passar de ano”. Acompanhar o cenário da educação e se inteirar dos processos seletivos e avaliações pelos quais os alunos vão passar também é uma forma de preparar suas aulas. Afinal, os resultados alcançados por cada aluno também é um reflexo do trabalho que cada professor desenvolveu ao longo do ano.