O que muda usando Tecnologia em sala de aula?

3 de fevereiro de 2015
tecnologia na sala de aula

Houve um tempo em que levar celular pra sala de aula podia gerar advertência… e era aquele tempo em que nem de tablet a gente ouvia falar. Ou seja: faz tempo pra caramba. Hoje, o uso do celular e de outros gadgets em sala de aula não só são irrestritos como, também, muito bem vindos. Isso porque a tecnologia, em doses homeopáticas, vira uma ferramenta para a educação – e as escolas mais modernas do mundo já viram, há tempos, que é melhor se aliar a ela do que ir contra.

E essas escolas têm razão. Veja aqui cinco coisas que podem melhorar na relação professor-aluno através da tecnologia e diga se não vale a pena dar uma chance a ela…

1. As aulas ficam menos monótonas

Se seus alunos são do tipo que reclamam porque “aula de matemática é sempre a mesma coisa”, a tecnologia é um bom jeito de surpreendê-los e mostrar que, pelo contrário, dá pra fazer muita coisa diferente com esse tanto de números.

Com o uso de recursos tecnológicos, as aulas tendem a ficar mais atrativas. E não é só porque a tecnologia, por si só, chama a atenção, não: os alunos estão de olho na dedicação dos professores e no quanto eles se empenham para preparar uma aula. Note que os professores preferidos da moçada estão sempre trazendo novidades para a sala…

2. O aprendizado vai além de sala de aula

Se você usa a tecnologia dentro de sala, logo espera que ela seja utilizada além do sinal do recreio. Certo?

Professores que se dedicam a mostrar o quanto a tecnologia pode ser amiga dos estudantes acabam colhendo mais resultados do que esperam porque seus alunos também vão começar a olhar por esse lado – e as pesquisas e trabalhos extra-sala ficam cada vez mais ricos.

As enciclopédias pesadas são só enfeites na estante: agora, os alunos buscam o conteúdo vasto e atualizado constantemente da internet.

tecnologia na sala de aula

3. Os professores têm mais tempo para estudar

Mas não é só a internet, por si só, que faz uma aula ser boa. E nem os recursos tecnológicos de difusão de conteúdo; ora, se for assim, temos recursos “tecnológicos” desde o mimeógrafo…

Quando os professores colocam a seu favor a tecnologia voltada para eles mesmo, como os aplicativos de correção de provas e acompanhamento personalizado de alunos, acabam tendo muito mais tempo livre para estudar, se atualizar, se divertir e, consequentemente, preparar aulas cada vez melhores. Os softwares de educação, mesmo os que os alunos não veem, podem ser uma ótima saída para a melhoria constante do aprendizado.

4. Os alunos têm mais ferramentas para estudar

Com a tecnologia, fica fácil ter um ensino cada vez mais adaptado às dificuldades e facilidades de cada aluno. Sim: a ferramenta ganha o nome de aprendizagem adaptativa justamente porque consegue passar por todas as ondas do saber dos alunos e avaliá-los de forma mais precisa.

Com esse tipo de ferramenta, os alunos descobrem que têm muito mais formas de aprender do que a tradicional aula, se interessam mais pelas matérias e acabam curtindo mais as aulas presenciais.

5. Ambos podem aprender mais com novas tecnologias

Por fim, mas não menos importante, ambos se ensinam a utilizar as novas tecnologias. No começo, eram os professores que davam as lições sobre as novidades do mundo. Hoje, tem até aluno ajudando professor a configurar gadget. Com esse tipo de “paridade” entre as duas pontas, alunos e professores acabam desenvolvendo laços que vão além da hierarquia educacional – e tudo que é feito entre amigos se torna mais legal.

Resumindo, não tem porquê fazer cara feia para a tecnologia. Ela pode melhorar muito as aulas, o aprendizado e, até mesmo, a amizade entre alunos e professores.

tecnologia na sala de aula